Minha história. Seu ponto final

Chego em casa e largo as chaves em um lugar qualquer onde provavelmente vou demorar para encontrar no dia seguinte. A voz dele ainda ecoando na minha cabeça como um despertador irritante. Ele não mediu esforços para deixar claro que não me quer mais por perto. Não consigo evitar me sentir uma tola por ter insistido tanto nesse romance fútil e sem sentido.

O que eu signifiquei pra ele? Ele não soube me responder ou talvez escolheu não responder porque falar em voz alta traria a tona tudo o que vivemos. E ele não quer pensar no passado porque o futuro é mais interessante: tem cabelo longo e 1,60m.

Meu estômago revira só de lembrar o jeito indiferente que ele me olhou essa noite. Brilho apagado, desinteresse. É muito esquisito quando alguém põe um fim na sua história. Uma história que você escreveu com todo o cuidado e amor mundo. E aí chega o dia em que o outro vem e põe um ponto final e no parágrafo seguinte começa uma nova história com alguém. Sem você. Dói e não é pouco. Dá vontade de gritar, qualquer coisa estressa, qualquer coisa é motivo para reclamar.

Minha vida não vai entrar nos trilhos novamente. Não consigo sem ele. Não quero ver ele com ela, como vou aguentar isso? É demais pra mim. Ela nem sabe dos trezentos tipos de alergia que ele tem. Não sabe que ele não suporta que falem alto e também não sabe que eu ainda o amo. Se soubesse o quanto dele ainda existe aqui dentro ela nunca chegaria perto. Ele está totalmente radioativo. Espero que ela tenha cuidado.

Não vai ser tão fácil pra ele também, não. Eu sei disso. Ou será que estou tentando me auto consolar? Sempre tive uma habilidade estranha para sair de situações difíceis sem muitos arranhões, mas dessa vez sinto que bati com o carro e que estou presa no meio das ferragens e qualquer movimento machuca.

Não vou me mover. Não enquanto ele não voltar. Não me importo, podem me dar falta, nota baixa, liguem para os meus pais. Me deixem quieta até que meu cabelo cresça ou até que ele perceba que eu sumi.

Você é uma droga

Sei que não rolou esse lance de “à primeira vista”. No entanto, também não sei o momento em que meus olhos encontraram, com curiosidade, o seu olhar decidido. Uma, duas, três, quatro troca de olhares foi o suficiente para fazer acontecer altas turbulências aqui dentro. Tinha tanta gente e ao mesmo tempo era só você e eu. Eu só tinha olhos para você. Algumas pessoas perceberam.

Na fila do banheiro, minha visão periférica avisou que você finalmente percebeu que era o momento ideal. E se aproximou… Devagar para não assustar, mas rápido o suficiente para esbarrar um pouco forte demais. “Opa, desculpa”.

Queria poder relatar aqui os detalhes daquele diálogo torto e tímido, mas o álcool levou parte de mim. A outra parte foi o seu sorriso que tomou conta de tudo. Eu flutuei… Não lembro o que eu disse, só lembro da sensação de não saber como se anda. Mas eu ainda precisava ir ao banheiro. E então deixei você esperando.

Em menos de 24 horas conheci seu quarto. Minha mãe me mataria se soubesse. Você é aleatoriedade total e eu sou louca o suficiente para fazer o que você quiser. Nada importa muito quando você coloca as mãos no meu rosto e me beija devagar como se fosse a coisa mais importante do mundo. Porque eu sinto que você está ali. Completamente para mim.

Entre o primeiro e o segundo encontro eu notei que o seu jeito marrento combina com a minha falta de paciência. Que a sua pele contrasta junto a minha me fazendo querer que exista eu e você para o mundo inteiro ver. Que a sua habilidade para se expressar é compatível com a minha incapacidade de terminar um raciocínio sem me perder de novo e de novo no seu sorriso.

Você é uma droga. Bagunçar o seu cabelo virou minha melhor distração. Tudo em você é viciante e inspirador. Inexplicável o quanto me excita te ouvir falar. Tenho sorte por não precisar pagar para admirar a sua calmaria, o modo como sorrir enquanto conta uma história e o seu talento para a música. Eu viveria sem grana.

Preciso te ver de novo. Dois encontros estão a milhas de distância de ser o suficiente e a vontade de sentir o seu cheiro já superou qualquer outra coisa. Eu tenho que te ver de novo para te fazer sorrir com as minhas cantadas inesperadas que te deixam vermelho. E te ver dançar mais uma vez. Não importa a música. Você sabe que você é uma viagem? Acho que tô viciada nisso.

Você não precisa se preocupar: o fim é inevitável. Mas prometo que será intenso e que farei você vibrar e vibrar até toda essa overdose valer a pena.